REVER - Textos e livros sagrados: usos, práticas e sentidos

REVER Nº 2 | 2021

Call open until 31-03-2021

Textos e livros sagrados: usos, práticas e sentidos

As «escrituras sagradas» na história religiosa da humanidade traduzem a memória de uma articulação entre o «ver», o «ler» e o «ouvir». Entre a estatuária egípcia, greco-romana ou mesopotâmica e a literatura védica, bíblica ou corânica existem, antes de mais, diferenças de perceção. A imagem seduz o olhar, impõe-se à comunicação sensorial. O texto exige o esforço da penetração, favorecendo a emergência de comunidades de sentido, grupos humanos que encontram, na história da passagem da oralidade à textualidade, a memória de um trabalho perscrutador dos enigmas da existência humana. As «escrituras sagradas» permitiram que determinada experiência religiosa se torne testamento, autorizando a constituição de tradições de leitura em torno de si, e suscitando a sua apropriação literária, plástica, performativa, musical, entre outras. No quadro das múltiplas modernidades, os textos e livros sagrados continuam a ser um laboratório de criatividade social, em diferentes registos: clivagens ideológicas, logocracias, ritualidades, práticas de rememoração e tradução, novos suportes de transmissão, itinerários de patrimonialização, glosas e paródias, etc.

                                                       Edited by: Rita Mendonça Leite, Luís Correia de Sousa